‘Legalização da Cannabis é a política de drogas mais segura que existe’, diz membro do governo uruguaio

Secretário-geral da Junta Nacional de Drogas (JND) do Uruguai, órgão do governo que controla a produção e comercialização da Cannabis, Diego Olivera é taxativo: “A regulamentação da maconha veio para ficar.” Em entrevista publicada nesta semana na revista Veja, ele definiu como positiva a legalização da Cannabis no país.

“A política de drogas proibicionista, que exige fortes medidas de coerção, fracassou. Uma das principais lições é que é possível regular o mercado de Cannabis e que isso não leva a uma situação disruptiva da sociedade. A sociedade uruguaia não entrou em colapso por ter regulamentado a maconha. Ao contrário, a imagem que fica é que essa se provou a política mais segura de todas as que se tentaram até hoje”, afirmou.

Leia também: TSE publica resolução que libera autofinanciamento de campanhas

Dez temas são responsáveis por 72% das ações paralisadas em tribunais

Quebrar sigilo de e-mail no exterior não exige cooperação internacional

Diego Olivera disse que 50 mil uruguaios, de diferentes idades e regiões do país, têm acesso à maconha por uma das três vias legais (farmácias, plantio doméstico e clubes especializados). Segundo ele, não houve episódios negativos nas áreas da segurança e da saúde pública.

“É claro que existem críticas sobre se estamos fazendo as coisas no ritmo adequado, se deveríamos aprofundar o modelo e se o peso regulatório ou de controle do mercado deveria ser mais frouxo. Mas a percepção é que tomamos o caminho certo.”

De acordo com o secretário, os homicídios e os roubos violentos caíram no Uruguai. “Graças à lei, algo como 30% dos usuários de maconha não recorrem mais ao mercado ilícito. Isso representa milhões de dólares que deixaram de ir para o tráfico”, disse.

Leia aqui a íntegra da entrevista no site da Veja.

(Foto: Matilde Campodonico/Archivo Latino)